Polêmico? Depende...

........Educar para viver.





.......
É frente a tantas necessidades sociais que as pessoas vivem nos dias atuais com algumas questões que se fazem pertinentes, tais como, por exemplo: Será que não se está criando monstros sociais quando se fala em educação, ou mesmo há a necessidade da educação? Será que, diante dessas necessidades sociais, a educação não toma proporção além do natural, transformando os jovens em excepcionais competidores deles mesmos, pois, necessário é, além de ser melhor que o próximo, ser mais importante e melhor que a si próprio para “vencer” na vida.


.......Esse vencer na vida não é mais observado como algo a ser conquistado, mas sim como algo a ser disputado entre as pessoas em meio ao mercado de trabalho e, para tal, a cultura atual está embriagada na educação descomunal como solução.

.......As crianças hoje são submetidas às coisas fora dos padrões psicológicos naturais, nas quais lhes é tirada o direito de brincar, por exemplo. Hoje, uma criança de apenas 6 anos já se encontra na pré-escola, coisa importante com a qual não se questiona, mas, além da pré-escola, essas crianças são submetidas, no resto do tempo que, outrora livre, a mais aprendizado. É escolinha de inglês, espanhol, natação, ginástica, artes, música, teatro etc. Depois, quando um pouco maiores, a carga de aprendizado aumenta, sem contar a observância da devida proporção, pois, "quanto mais estudo melhor".

.......Tal cultura está posta às necessidades que outrora eram básicas, mas que hoje se fazem como um prêmio a ser disputado. Aquela criança que menos brincou, trocando seu tempo de desenvolvimento natural pelo aprendizado terá “melhores” condições para disputar coisas como, luz, telefone, celular, comida, planos de saúde, carro, casa etc.

.......O fato é, desde alguns anos pra cá, o jargão “vencer na vida” passou a ser o “ganhar a vida”.

.......Como há mudar tal situação - tal temática -, na qual, hoje, em relação ao mercado de trabalho e a necessidade ilimitada humana de recursos limitados, se faz impossível? Isso é dado pelo próprio sistema econômico que necessita de “consumidores” cada vez em maior número para sua própria sustentação como tal. Para o adulto de hoje, o que teve seu desenvolvimento natural, lhe será cobrado, em luta, com os demais em seu meio o seu direito de sobrevivência social. Mas a qual preço?

.......A desenfreada necessidade de competir já se transformou em uma questão de ordem natural dado às dificuldades econômicas. Nada disso deve ser ignorado, pois se faz como realidade nos dias atuais, entretanto, segundo pesquisadores sociólogos, a sociedade já está sentindo os sintomas dessa disputa iniciada desde a tenra idade. Os problemas de estresse, AVC, infarto, câncer, diabetes etc., já são coisas cotidianas, inclusive as chamam de doenças do século XX.

.......Isso não será o reflexo da nova ordem educacional?

.......Segundo Piaget, toda criança tem que brincar enquanto é criança para, quando adulto, ser um adulto normal - em resumo. Também Cícero, no primeiro século depois de Cristo já observou - de certa forma, o problema da má educação, quando disse:

.......Eduquem bem as crianças que não será necessário castigar os adultos.

.......Será que Cícero e Piaget não previram o futuro?

.......Hoje os consultórios médicos e psicológicos, hospitais e penitenciárias estão cheios desses novos adultos que, desde há quarenta anos atrás, vêm sendo preparados para a competição em lugar da conquista. Aos perdedores, o prêmio abacaxi: os tais consultórios médicos e psicológicos, hospitais e penitenciárias, ou, na melhor das hipóteses, reféns de farmácias e sua gama de remédios, bancos etc., ou do próprio trabalho cujo salário lhe garante a subsistência mínima.

.......Será que o atual método social de socializar (educar) as crianças não lhes está tirando o direito de viver naturalmente? E, se continuar o atual método, será que não teremos uma massa “falida” cujo capital ativo e passivo será medido por infelicidade? Ou será que não se fará perceber tal infelicidade porque, quando crianças, não lhes ensinaram a serem simplesmente felizes?

.......Será que não está faltando o ensinar a viver nesse processo todo?

 

.