Homem e os deuses:
Hermes, a astúcia juvenil...






.....Quase todas as viagens feitas pelos gregos tinham caráter comercial e, Hermes, como protetor das estradas, foi personificado também como o deus do comércio e ainda, por causa da sua astúcia, foi eleito o deus dos ladrões. Estes elementos foram lhes atribuídos por dois motivos. O primeiro, porque os gregos eram reconhecidos como excelentes comerciantes e ao mesmo tempo inescrupulosos, e, em segundo, o próprio deus tinha a conotação astuta e esperta dando ao povo grego a adequação às suas necessidades práticas. Para sua própria proteção, o grego se via obrigado, em meio a tantos inimigos, usar de pura astúcia e esperteza...

.....Porém, para uma negociação é necessário outro dom. Faz-se imprescindível ter alma convincente para aludir o comprador. Hermes, com seus discursos eloqüentes, tornou-se um deus lógico, ganhando o nome de Hermes Logio. Esta mesma imagem e forma de comerciar, discutir e persuadir, levaram os gregos a promoverem este deus a função de mensageiro do Olimpo a serviço de Zeus. Como um perfeito arauto dos deuses, carregando sempre seu Caduceu, bastão com poderes de bênçãos e prosperidade dado em negociata com o deus Apolo, também capaz de transformar tudo o que toca em ouro, recebeu o codinome Hermes Krysorrais, significando munido de vara de ouro.
.....Era tido como um deus doador de bens por ser propiciador de fortunas e como “aquele que dispensa lucros”. No Mediterrâneo, região onde se recebia a visita dos mercadores, tanto gregos como estrangeiros, ganhou outros nomes, como por exemplo, Hermes Empolaios, aquele que reside o comércio e Hermes Agoraios, aquele que dirige as tarefas da praça pública. Sempre carregava uma bolsa cheia e, por todos estes conceitos comerciais, foi identificado pela cultura grego-romana com o deus Mercúrio, divindade tanto da Europa central como a ocidental.
.....Hermes, corredor de fôlego eterno, percorria velozmente todas as terras da Grécia e também entre a Grécia e o Olimpo. Como trabalhava nestes afazeres com agilidade e esplendor, fez com que o povo grego o aclamasse como um perfeito modelo de juventude e beleza viril.
.....Na Beócia, sob o nome de Hermes Agonios, aquele que preside os certames, era honrado nos ginásios e estádios. Em Atenas e outras cidades da Arcádia, Acaia e na ilha de Creta, era homenageado com freqüência nas lutas entre os de menor idade. Foi o patrono dos esportes e dos atletas, além de inventor do pugilato.
.....Porém, Hermes não era apenas um deus com bom físico e juventude viril, foi ele quem inventou a lira, sendo assim venerado também pelos músicos e poetas, juntamente com seu irmão e melhor amigo, Apolo, dividindo o título de deus da música. Em tempos mais tardios, Hermes também recebeu o título de deus das ciências e, em especial, o título de deus da matemática e da astronomia. Assim, surgiu o Hermes Trismegisto, aquele que é três vezes santo.
.....Mesmo sendo o deus dos ladrões, com astúcia se voltava contra eles. Nesta idéia, Hermes, para proteger compradores e vendedores, separando os honestos dos desonestos, inventou a balança, garantindo as duas partes em qualquer transação.
.....Sua astúcia em determinados casos críticos levava sempre ao entendimento. Nas brigas entre cidades-estados, usava sua inteligência esperta para aludir os embaixadores, dando-lhes soluções diplomáticas e pacíficas. Hermes não era tido como um deus guerreiro, pelo contrário, odiava as guerras que só faziam as pessoas morrerem. Favorecia sim, as atitudes que visavam lucros, mas se postava sempre contra os fabricantes e comerciantes de armas.
.....O comediante Aristófales referiu, em um de seus escritos, com veemência aos péssimos administradores do povo que promoviam guerras e discórdia entre as cidades-estados da Grécia e a de outras nações na seguinte frase:
.....Hermes respira com mais satisfação o hálito da deusa das festas que o odor de uma axila militar."
.....Como protetor dos viajantes, assumiu também a personificação de o condutor das almas até a entrada dos infernos. Seu nome neste sentido era Hermes Psicopompo, aquele que conduz as almas, e, com freqüência, também homenageado nas festas fúnebres e nos túmulos.
.....Mesmo sendo ardiloso, ladrão e corrupto, Hermes não ficou sem o carinho dos deuses olímpicos. Era o caçula dos deuses e, pelo seu discurso coeso e pela sua artimanha na comunicação, ganhou a eterna amizade de Apolo e até mesmo Hera o aceitou, mesmo sabendo ser ele filho do esposo Zeus com outra mulher.
 

.