Homem e os deuses:
Hefestos, obreiro que honra o trabalho digno...








.....Por ser Hefestos o deus artesão, alguns estudiosos tentam explicar sua deformidade em suas habilidades artísticas. Na Grécia antiga, os homens fracos e defeituosos, não habilitados para as guerras, para as expedições navais, para a caça e cultivo nos campos, eram encarregados do artesanato, tento esta atribuição social de mesmo valor e peso em detrimento de qualquer outra atividade significativa na sociedade grega.

.....Na época de Sólon, estes artesões passaram a ganhar mais e mais glamour e, por fim, constituíram uma grande força econômica grega. Muitos homens perfeitos migraram para esta atribuição social que, cada vez mais ganhava importância e grandes lucros no comércio com os povos vizinhos.
.....Passou então a ser uma profissão mais que respeitada. Uma profissão nobre. Neste fato social os gregos continuaram com os cultos à Hefestos que o veneravam ao lado de Palas Atenéia.
.....Estes dois deuses protegiam o trabalho manual; a arte em si. Hefestos protegia os ferreiros e metalúrgicos, Palas Atenéia, os oleiros e tecelões. Todo mês de outubro os artesões da cidade-estado de Atenas reuniam-se na esplanada do templo do deus do fogo, na periferia da Acrópole, para realizar as festas Cálceas em veneração à Palas Atenéia e à Hefestos. Haviam comemorações com corridas de tochas acesas, nas quais, os oleiros e os tecelões eram os que mais participavam.
.....Mesmo tendo quase as mesmas atribuições em relação às artes, eram os dois deuses, considerados diferentemente em detrimento de hierarquia, poder, força e dignidade. Palas Atenéia era vista, acima de tudo, como a inteligência criadora, a protetora das artes nobres e, em paralelo, protegia também o trabalho dos oleiros e dos tecelões. Já Hefestos representava a inteligência aplicada à técnica, era um deus obreiro, trabalhador. Era um deus envolvido nas atividades em que os gregos, da Era Clássica, consideravam inferiores por estarem entrando na fase filosófica, envolvidos com as especulações do ser ou não ser... Assim, Palas Atenéia era venerada por nobres, artistas, poetas e filósofos em muitas festas e, Hefestos, venerado por artesões de origem bem mais humilde.
.....Hefestos tinha seu principal culto em Lemnos, conquanto, todo ano se realizava cerimônias expiatórias. Os sacrifícios eram durante nove dias e, durante estes nove dias não se acendia nenhum fogo. Ao décimo dia, um navio trazia de Delos, outra chama, reiniciando o ciclo anual do fogo.
 

.