Fábulas: Eros, a primeira divindade...








.....
Da negra noite nasce Heros. Antes mesmo de existir o mar, a fértil terra e o céu azul que recobre o mundo; antes mesmo da existir a natureza, como a percebemos hoje, organizada, plástica, sábia, poderosa; antes mesmo de tudo, só havia o Caos, uma massa rude e informe constituindo o Universo.
.....No começo, o que existia era algo inerte, diz Ovídio, poeta latino. Era um peso morto, um amontoado de elementos díspares, os germes de todas as coisas. Nesse tempo, nenhuma luz dissipava no mundo calor e claridade, Nem o Sol e nem a Lua percorriam ainda a abóbada celeste, não existindo o dia e a noite como coisas distintas entre claro e escuro.
.....A terra ainda não estava suspensa no ar, equilibrada pelo seu próprio peso e, Anfritite, a rainha do mar, não tinha estendido seus doces braços pelas margens terrestres. Terra e mar eram uma mescla indistinta de vida e agitação. O solo não tinha densidade. O mar não fluía. O ar não tinha luz. Nada possuía forma própria e, no interior dessa massa única, travava-se uma constante batalha dos princípios opostos. O frio combatendo o calor, a umidade combatendo o seco, a leveza contra o peso etc.
.....Pouco a pouco, um deus ordenador emergiu da escuridão do Caos. Era Eros, que tudo definiu e harmonizou, segundo sua inteligência e soberana vontade. Fez-se a paz no Universo. Entretanto, permaneceu para sempre acesa a centelha do conflito...
 

.