O Homem Pré-histórico...
.....Somente nestes últimos anos é que o Homem começou realmente procurar explicações sobre sua origem que não fossem os mitos e as lendas. Começou de maneira científica provar as especulações filosóficas e teológicas na prática, com as quais, por conta do desenvolvimento da tecnologia e nas divisões da ciência em áreas particulares, por matéria, começou a vislumbrar a realidade como ela realmente parece ser...

.....Podemos dizer que esse estudo começou aproximadamente no século XVIII. Entretanto, os fósseis eram raros e não se tinha a consciência da divisão do tempo evolucionário em eras, como hoje. Todos os achados eram discutidos em separado, levando cada cientista a uma teoria diferente, o que causava apenas confusão.

Quando e de onde veio o Homem?
.......
.....Esta pergunta é a base da antropologia palentológica, pergunta formulada desde os povos mais antigos, incluindo os primeiros filósofos hindus, chineses e gregos. Esta pergunta, sabemos hoje, é a origem das religiões, mitos e lendas como explicações ou tentativas de explicações fantasiadas e poetizadas do mundo empírico.
.....Em 1655, o Francês, Isaac de la Peyrère, achou e estudou por conta própria um amontoado de pedras lascadas por pura curiosidade e audácia. Na época, escreveu um livro defendendo a tese de serem tais pedras, artefatos humanos feitos bem antes do Adão e Eva da Bíblia, e, como resultado, teve seu trabalho incinerado em praça pública pelos religiosos da época. Não obstante, no decorrer dos anos, as pedras lascadas continuaram a aparecer e junto, ossos humanos com estruturas inferiores aos ossos humanos do Homem Bíblico. Começou então a verdadeira especulação sobre o que a Bíblia dizia e o que realmente fora real. Desta data figurativa em diante, o Homem começou a entender que os escritos sagrados nada mais eram que figurações e personificações, e não fatos reais como achava o arcebispo James Usseher, irlandês, que em 1650, escreveu um livro com os cálculos determinando a data do surgimento da Terra. Dogmatizava a data em 4.004 a.C., numa manhã, seguindo os dados da Bíblia.
.....Entenderam que a Terra em tempos mais remotos fora habitada por animais e povos menos evoluídos e, por um motivo ou outro, se extinguiram. Foram vários os achados arqueológicos na Europa, com os quais, reunidos, levaram os estudiosos ao estudo e comparação de todos os achados e teorias, sempre movidos pela pergunta latente: Quem somos e de onde viemos?
.....Em 1838 e 1839 as descobertas de Boucher de Perthes foram apresentadas às sociedades científicas francesas que as rejeitaram. Certo do que formulara, publicou uma obra de cinco volumes com provas e mais provas de que o Homem é mais antigo que se imaginava. Por muito tempo sua teoria fora ignorada por contestar os dogmas cristãos, além de contrariar quase todas as outras diferentes religiões.
.....Mesmo sem métodos científicos para se trabalhar e sem se ter bases históricas para explicar, continuaram as expedições. Tiveram no século XVIII os testemunhos dos sedimentos rochosos, nos quais, camada a camada, a história ia sendo contada com mais clareza.
.....Charles Darwin, seguindo as idéias do inglês Charles Lyell sobre a geologia e a teoria das camadas sedimentares, e somando-as aos seus próprios estudos, publicou A Origem das Espécies em meados de 1859, na qual defende a evolução das espécies por seleção natural. Assim, o Homem começou a ter consciência lógica que o planeta era muito mais antigo que se achava e, os seres vivos, muitos deles hoje extintos, sofreram mutações evolucionárias até os moldes atuais, inclusive o Homem; um ser mutável...
.....Em 1863 Thomas H. Huxley publicou o livro, O lugar do Homem na Natureza, abordando cientificamente o seu desenvolvimento evolucionário comparando os antropóides atuais e o Homem em suas correlações anatômicas e, em especial, aos Chimpanzés e Gorilas, alegando parentesco distante. Em 1871, Darwin publicou outro livro, Os Ancestrais do Homem. Como as publicações passadas, foram mal compreendidas. Achavam que o Homem atual descendia dos "Macacos", ou melhor: o Homem era um Macaco mais evoluído. Porém, sem o elo perdido que não explicava o salto do "Macaco" para o Homem, enunciado nas teorias evolucionárias na época, nas quais, o Macaco era irmão do Homem, caiu por chão. Hoje sabemos que o Homem é na realidade "primo" destes antropóides, tendo o Homem Pré-histórico evoluído até o Homem Moderno, ou seja, o Homem descende do Homem.
.....Deste então outros achados fósseis vieram a tona causando grande confusão, como por exemplo, um crânio encontrado no vale de Neander, o qual foi dado o nome de um falso descente do Homo Sapiens, o Homem de Neanderthal. Este, na realidade, viveu junto com o Homem de Cro-Magnon e extinto tempo depois.
.....Em 1880, Eugène Dubois encontrou na ilha de Java um fóssil que revolucionou o mundo arqueológico e, de certa maneira, provou que o Homem veio do Homem. Este achado é o que hoje chamamos de Homo Erectus. Pela desconfiança da veracidade em se ter achado "por acaso" este fóssil, Dubois o manteve em segredo até 1920. Somente após esta data os estudiosos puderam então examiná-los. Desde então, vários outros fósseis de Homo Erectus foram encontrados na China, perto de Pequim. Outros na Argélia e mais recentemente na África ocidental. Em meio a isso tudo, uma mandíbula foi encontrada em 1907 na Alemanha, mais precisamente em Heidelberg.
.....Durante vários anos se imaginou existir um Homem de Java, um de Pequim e outro de Heidelberg. Hoje sabemos que todos são, na realidade, o Homo Erectus. Estes haviam se espalhado pelo mundo, se perpetuando na natureza por conta seleção natural de Dawrin, evoluindo assim, até o Homem Moderno, o Homo Sapiens.

.....Mas quem o precedeu?
.....Em 1920, um anatomista, Raymond A. Dart encontrou um fóssil; não de um antropóide, mas sim de um Hominídeo com estatura baixa, que se apoiava e andava nas duas pernas traseiras de forma ereta. Foi batizado de Australopithecus. Daí em diante as descobertas foram evidentes e aceleradas pelo desenvolvimento da tecnologia, provando cada vez mais, que o Homem evoluiu do próprio Homem e isso há cerca de 2 milhões de anos atrás.
.....Com a contribuição das novas ciências como a botânica, por exemplo, revelando o clima e vegetação em determinado tempo, se construiu uma lógica sobre de onde viemos, como vivíamos e como evoluímos até os dias de hoje... E a genética, provando a co-relação destas teorias.

.....Agora, como o Homem evoluiu mentalmente, de 2 milhões atrás até hoje, partindo do Australopithecus e, como e quando se começou realmente a ter pensamentos, é como a Ordem estuda e desenvolve sua filosofia.
.....Podemos afirmar hoje as principais fases evolucionárias do Homem, começando da primeira figura até a última, nas imagens abaixo e, em seqüência, de acordo com os conhecimentos atuais dos cientistas, reconstituídos por meio de fragmentos ósseos fossilizados.
.....Mesmo que futuras descobertas possam alterar esta lógica, não se desviará muito do que temos hoje como base evolucionária.
.....O Homem descende diretamente do Australopithecus, ou melhor, somos Australopithecus evoluídos. Somos animais caçadores e coletores que no decorrer dos milênios, sobrevivemos e evoluímos segundo as regras de Dawring. Os mais fortes nessa seleção aprimoraram o físico e a capacidade mental.
.....O grande salto se deu no aumento do consumo de carne após a descoberta do fogo, no desenvolvimento das habilidades manuais e a consciência em usar objetos ao redor com funções práticas no dia-a-dia. Passou a ficar mais tempo em lugares de melhor estadia, cozendo seus alimentos e se protegendo do frio, inimigos e predadores. Desenvolveu a comunicação direta e indireta e dividiram, em determinado tempo, as funções nos bandos. Organizaram o início das regras sociais e garantiram as condições de se reproduzirem em grande número. Tiveram várias migrações partindo da África e se diversificando em vários ramos evolucionários, sendo um deles, o que hoje chamamos de Homem Moderno (Homo Sapiens), os sobreviventes nesta estrada evolutiva.

.....Teremos como estudo na Filosofia da Ordem, apenas as premissas básicas do conteúdo pré-histórico, entre 2 milhões de anos até cerca de 10 mil anos atrás, analisando de forma estritamente filosófica, os princípios da subsistência destes ancestrais para melhor entendermos como funciona nossa atual mente e inteligência emocional. De como e quanto ainda estamos presos na herança animal de outrora que ainda se faz presente na sociedade humana e, em geral, nas atitudes humanas em particular, nas quais a evolução tecnológica e intelectual, estão muito além da evolução física.


Resumo histórico do Homem Pré-histórico

.....Pliopithecus
.....Um dos primeiros proto-antropóides (23 a 12 milhões de anos atrás), o Pliopithecus se parece com um Gibão atual, embora os braços deste não sejam tão compridos e especializados para balançar nas árvores. De acordo com as características dos dentes e do crânio, é hoje classificado como um ancestral da linha do Gibão e outros macacos de pequeno porte.
.....Proconsul
.....Conhecido por inúmeros fragmentos que dão esqueletos quase completos, o Proconsul (20 à 11 milhões de anos atrás) é considerado um antropóide muito primitivo, ancestral do Chimpanzé e talvez do Gorila. Contemporâneo do Pliopithecus é muitas vezes encontrado nos mesmos estratos que esse proto-antropóide.
.....Dryopithecus
.....Embora seu esqueleto seja muito incompleto, O Dryopithecus (10 a 8 milhões de anos atrás), pode facilmente ser descrito por algumas mandíbulas e dentes. Foi o primeiro dos grandes antropóides fósseis a ser descoberto, Têm sido encontrados vestígios por toda a Europa, no norte da Índia e parte da China.
.....Oreopithecus
.....Supõe-se que o Oreopithecus (14 a 8 milhões de anos atrás), é provavelmente um ramo colateral da árvore filogenética humana. Teria medido cerca de 1,2 m e pesado por perto de 40 kg. Seus dentes e bacia fizeram os cientistas pensar que fosse um ancestral do Homem. Hoje está mais conhecido e sabe-se ser um antropóide extinto.
.....Ramapithecus
.....Até hoje, é o mais primitivo dos primatas parecido com o Homem. Alguns especialistas "acham" que o Ramapithecus (14 a 12 milhões de anos atrás) é o mais antigo dos ancestrais do Homem em linha direta. Sua aparência provável é dada por alguns dentes, fragmentos de mandíbula e um palato de forma inegavelmente humana, mas que também é um hominídeo extinto, provavelmente pelos Australopithecus.
.....Australopithecus
.....O Ramapithecus é uma forma primitiva de Australopithecus (2 a 1 milhões de anos atrás), é o primeiro hominídeo autêntico, e está separado do Australopithecus por um abismo de 9 milhões de anos. Durante esse período os pré-humanos fizeram grandes progressos: adquiriram a posição ereta, passaram a viver no chão e devem ter trabalhado as pedras. Com certeza o desenvolvimento do Australopithecus levou o Ramapitchecus a extinção.
.....Paranthropus
.....Embora tivesse postura ereta e características de hominídeo, o Paranthropus (1,8 a 0,9 milhões de anos atrás) representa uma linha de ancestrais do Homem que se extinguiu. Vegetariano, a julgar por suas enormes mandíbulas e dentes trituradores, competiu com o Australopithecus mais evoluídos que devem ter apressado sua extinção.
.....Australopithecus Evoluído
.....Diferente do Autralopithecus primitivo por ter crânio mais evoluído, mais volumoso, o Autralopithecus Evoluído (1,8 a 0,8 milhões de anos atrás), foi contemporâneo do Paranthropus. Artefatos primitivos foram encontrados juntamente com os fósseis de ambos, mas ainda não se sabe qual dos dois antropóides foi quem as imaginou e as fabricou primeiro.
.....Homo Erectus
.....O Homo Erectus (0,8 a 0,45 milhões de anos atrás), foi o primeiro Homem do nosso gênero. É moderno na configuração dos membros, porém, mais primitivo nas mãos e no cérebro, com uma capacidade craniana inferior à de todos os tipos de Homo Sapiens. Os locais que habitou mostram que levou uma vida comum e sabia usar o fogo.
.....Homo Sapiens Primitivo
.....Três fósseis de homens europeus (Swanscombe, Steinheim e Montmaurin - 0,2 a 0,05 milhões de anos atrás) são, provavelmente, os primeiros exemplos da moderna espécie humana. Sua dentição é primitiva, mas a parte posterior do crânio e a face são do Homem Moderno. A capacidade craniana está dentro da faixa atual.
.....Homem Solo
.....O Homem Solo (110 a 65 mil anos atrás) é uma raça extinta de Homo Sapiens (Homem de Java, Homem de Pequim e Homem de Heidelberg) e, até agora, são identificados por alguns fragmentos de tíbia e crânio. Com isso se sabe que seus representantes tinham o aspecto do Homem Moderno, mas o crânio era maciço, com grandes arcadas superciliar e testa fugidia.
.....Homem Rodesiano
.....O Homem Rodesiano (60 a 30 mil anos atrás) é outra raça extinta de Homo Sapiens que vivia na África. Era mais moderno que o Homo Erectus, porém mais primitivo que os primeiros povos parecidos com os bosquímanos. Tem sido encontrados fósseis dele com talhadeiras e raspadores de pedra e também com alguns utensílios de ossos.
.....Homem de Neanderthal
.....Não tão rude como seu nome por vezes sugere, o Homem de Neanderthal (60 a 20 mil anos atrás), que vivia nas margens do Mediterrâneo e em vários pontos da Europa, tinha capacidade craniana, em certos casos, maior que a do Homem Moderno. Fabricou muitos artefatos, alguns dos quais já bastante aperfeiçoados. A migração do Homo Sapines à Europa, levou este hominídeo à extinção.
.....Homem de Cro-Magnon
.....Somente a um passo do Homem Moderno, o Homem de Cro-Magnon (40 a 11 mil anos atrás) deixou muitos vestígios de sua arte como as pinturas nas cavernas, pedras trabalhadas e figuras esculpidas. As primeiras esculturas do mundo foram feitas por estes homens. Tomou o lugar dos Homens de Neanderthal e, diversificando-se em muitas populações, se espalharam por todo o mundo.
.....Homo Sapiens
.....Fisicamente o Homo Sapiens (10 mil anos atrás aos dias atuais) difere muito pouco do Homem de Cro-Magnon. O que distingue os dois é a cultura. Aprendeu a cultivar a terra e a domesticar animais.
.....O Homem atual pode abandonar a vida nômade, radicar-se em definitivo e criar uma civilização que vem evoluindo continuamente e se aprimorando através das idades históricas até os dias atuais.
 

.