O Homem Religioso...

.....Mil anos marcaram a Idade Média como a "Era da Fé". Muitos foram os acontecimentos pelos quais este conceito foi construído. Neste período, que vai desde as primeiras invasões bárbaras até o início da Renascença, a religião cristã teve fundamental influência na civilização ocidental.
.....A inevitável miscigenação entre os romanos civilizados e os bárbaros se deu de maneira morosa e deveras penosa culturalmente para os romanos. As Cruzadas, por exemplo, provaram o desenvilvimento ideológico da "Fé", como manifestações coletivas do homem medievo, nas quais o conduziu por mais de mil anos...

.....Fé medieval, instrumento de instagnação intelectual e controle político.
.....Encontramos nas catedrais medievais os maiores exemplos da força da fé cristã, cuja fé controlou os homens do mundo medievo. Mais tarde, na Renascença, com muita ironia, a Divina Comédia de Dante nos traz como o clero controlava o povo. Mostra a estrutura imposta pelo clero: reino dos padres, reino do céu, reino do inferno e o purgatório. Estes conceitos mantinham o homem medievo preso ao horror de não viver o hoje, e sim, viver casto e temente para, no pós morte, ganhar, não o céu, mas a certeza de não ter sua eternidade no inferno.
.....O clero tinha a força política, econômica e filosófica concentrada na imagem figurativa do papa, ao contrário da desfragmentada força particular de cada reino que, amiúde, não se entendiam. Todos estavam a mercê dos interesses da Igreja. Numa progressão geométrica, ganhava dia a dia, mais e mais força sobre o povo por meio de sua ideologia cristã e, sobre os reis e os príncipes, atuava com sua força política, adiquirida por suas posses latifundiárias e riqueza acumulada.
.....A Igreja sobrepunha seus interesses acima de tudo e todos em troca de acordos mútuos, a ponto de ficar acima do próprio Deus. Seu disfarce era o próprio catolicismo que pregava.
.....O homem medievo deriva da miscigenação da cultura grego-romana com a cultura dos invasores bárbaros que teve seu início simbólico na primeira migração germânica pelo norte europeu transpondo o Danúbio. Com estas invasões e a miscigenação com o povo civilizado, povoaram toda a Europa, transformando definitivamente o povo europeu e originando os mais diferentes Estados.
.....Com o nascimento de Cristo e as incursões bárbaras, as províncias do Oriente Médio ganharam mais destaque e atenção do império romano, desvalorizando as regiões européias.
.....Com o crescimento do cristianismo no Oriente e o aumento da população bárbara infiltradas na população do império na parte européia, deu-se início a uma anarquia religiosa e política nas quais a disputa entre as diferentes religiões pagãs fortalecia mais e mais a fé cristã.
.....O cristianismo tinha a força de suprir os anseios e desejos do homem naquela época. Dava perspectiva de futuro e conforto espiritual as grandes massas que eram oprimidas de uma maneira ou outra. Com o passar do tempo, os aristocratas religiosos se organizaram de uma tal maneira que, a Igreja, institucionalizada, passou a governar o povo, os governantes e as terras.
.....Alguns fugiram a regra da política católica e buscavam a cultura, o conhecimento e a sabedoria ao invés da fé pura, contrastando com a maioria ignorante que, inclusive, em nome de Deus, condenavam os sábios como hereges, sendo quase todos queimados vivos, protegendo assim, a "Santa Igreja" da luz do conhecimento.
.....A confusão política dos poderosos era tanta que, nem mesmo nomes e dinastias como, por exemplo, os Merovíngios, os Carolíngios, os Capetos, os Otãos, os Hohenstaufen, entre outros, mantinham suas fronteiras e suas decisões políticas sem a intromissão, ou a autorização da Igreja.
.....Apenas Carlos Magno teve a audácia e poder de reunir um vasto território em uma só lei e ao comando de um só monarca que, mesmo assim, contou com grande "politicagem" da Igreja para conseguir tal feito; inclusive, mantê-lo.
.....O povo europeu se manteve isolado do resto mundo atrás da máscara da fé, na qual, todos os diferentes eram considerados infiéis e não dignos de serem filhos de Deus. A única unidade que assistia todo o povo da Europa era a fé cristã, a crença cega no catolicismo, mas que, não mantinha a paz entre os reinos nos quais, cada qual, tinha a sua própria razão fundada na vontade de Deus. Assim, o vitorioso de qualquer disputa, era vitorioso por vontade de Deus e não por força e intelecto próprio. Dividida entre principados e reinos, amigos e ou inimigos, a Europa só era um povo único na fé católica sob a autoridade do papado.
.....A força católica se mantinha no poder aristocrático pelas constantes ameaças de outra fé em extrema ascensão; a fé islâmica proveniente da Ásia. Sob este pretexto religioso de proteção, tanto para o Império Bizantino, como para os reinos católicos e terras da Igreja na Europa, a Igreja se fundamentava politicamente. Mesmo assim, o islã arrematou boa parte do ocidente-sul da Europa e se manteve no poder por lá, quase meio milênio.
.....Mesmo o papado tinha suas disputas políticas internas, nas quais os suseranos dos reinados e províncias intermediavam, cada qual procurando seus próprios interesses, sempre em nome e sob a sombra de Deus. Reis, fidalgos e papas se mantiveram nesta incessante luta, tanto nos bastidores políticos como nos campos de batalhas, durante todo o período a que chamamos de Idade da Fé ou Idade das Trevas. Neste sentido, qualquer homem que não fosse batizado pela Igreja Católica não era considerado um membro da sociedade e, logo, um pagão, um ser que deveria ser queimado ou exilado, ou condenado a vagar pelas terras, sem qualquer direito político ou civil.
.....A Igreja, neste período, era a única fonte de educação, sendo a educação eclesiástica a detentora do conhecimento e da sabedoria acumulada dos antigos e, somente o clero com seu acesso. Em controvérsia a si mesma, a Igreja fazia o papel irônico de distribuir comida aos pobres, acolhe-los e salvar suas almas condenadas. O povo tinha a sustentação psicológica na Igreja e, a Igreja, por sua vez, vasto controle sobre quem governava, fazendo dela o que diz o conceito: "Advogada do Diabo".
.....Em cada governo europeu, a Igreja mantinha um representante perante o soberano como os olhos e ouvidos do papa. Vários arcebispos cumpriram este papel político frente à muitos governantes, como por exemplo, Carlos Magno, cujo arcebispo era Alcuíno. Edgar da Inglaterra, que tinha o arcebispo Dusstan como concelheiro. Carlos, o Calvo, tinha o arcebispo João Scotus Erígena. Todos como homens políticos defendendo e agindo para os interesses da Igreja.
.....Um soberano, nesta época, era tão inculto quanto seu mais humilde servo dentro de seu reino e aí, a Igreja os usurpavam. Agia sempre a seu favor, atendendo, de alguma maneira, seus próprios interesses. Fazia política internacional, incentivando guerras e derrubadas de dinastias por meio de seus representantes eclesiásticos, e, para o povo, a antiga política romana de pão e circo, mas, sem o circo.
.....Foram estes eclesiásticos eruditos que guardaram a sete chaves os conhecimentos dos antigos povos da Idade Antiga e, mesmo assim, muitos foram considerados hereges. Muitas obras de ilustres filósofos foram queimadas. Entretanto, acabaram por nos deixar um grande legado: a língua latina.
.....Durante a transferência da capital romana para a cidade de Bizâncio, no início das invasões bárbaras, o clero se manteve fixo em Roma e, indiferente aos invasores, continuaram com suas estratégias cristãs, aumentando seu poder sobre o povo e ao tempo, a convertendo, pouco a pouco, todo a população bárbara, pondo-se em um lugar indiscutível na hierarquia de poderes na Europa.
.....A sociedade na Era da Fé tinha uma conotação, para os dias atuais, como inconcebíveis. Os fidalgos protegiam seus servos, que em troca, se vendiam até a morte e, todos, na Igreja, o consolo e esperança de ter, após a morte, a recompensa no reino dos céus por todos os seus sofrimentos passados na terra. E segundo o ditado medievo:
....."Deus fez o Homem para três únicas escolhas. Vilão, fidalgo ou padre".
.....Em resumo, os camponeses sustentavam a classe dominante e esta, em contra partida, os protegia. A Igreja supria os camponeses de todas as suas necessidades espirituais, e ao nobre, o dever de governar, surgindo assim o sistema feudal, fortalecido pela proximidade geográfica entre os campos agrícolas e os castelos dos senhoris. Nesta época, toda a Europa vivia no sistema econômico de permutas e não de troca monetária, o que facilitava e fortalecia os interesses da Igreja.
.....Neste fase da história da humanidade, apenas dez por cento da população vivia nas cidades, ficando a maioria nos campos, lavrando as terras dos castelos com apenas um minúsculo pedaço para a própria subsistência. Com cabanas de teto de côlmo e chão batido como moradias e, pesadas obrigações prestadas aos senhoris, os colonos viviam sem esperança de dias diferentes ou melhores. O mundo do cidadão ignorante medievo era não mais que alguns hectares à volta de sua moradia. Sua vida era regida pelas estações do ano que lhe ditava quando devia trabalhar nas terras, quando trabalhar no castelo a serviço particular do senhoril e, quando trabalhar para si próprio. Como consolo, a "fé"...



Resumo histórico do povo medievo:
.....400 d.C.
.....Declarada a supremacia e autoridade da Igreja.
.....Início da substituição do sistema rendeiro romano para o de servidão.
.....Deposto o imperador Romulus Augustulus pelo rei bárbaro Odoraco.
.....Clóvis é escolhido para ser rei dos francos.
.....Clóvis é batizado na Igreja.
.....São Jerônimo completa a tradução da Bíblia para o Latim.
.....500 d.C.
.....São Bento ergue o mosteiro no Monte Cassino e redige as regras.
.....Com intenção de se converter os Pictos, Santa Columba vai a Iona.
.....Gregório I começa sua ardilosa política para centralizar o poder eclesiástico ao papado.
.....Santo Agustinho, a mando de Gregório I, começa a conversão de Kent.
.....A economia européia tende para a simples atividade agrária.
.....Aparece o bicho-da-seda vindo de Constantinopla.
.....A Gália entra em período de fome.
.....Clóvis toma a Aquitânia empurrando os visigodos para as terras espanholas.
.....Morre Clóvis e seu reino é dividido entre seus filhos.
.....Expansão franca, mas conflitos internos enfraquecem os reis Merovíngios e fortalecem os nobres latifundiários.
.....O imperador bizantino derrota os ostrogodos na Itália.
.....Invasão à Itália dos lombardos sob a chefia de Alboin.
.....Trégua estabelecida pelo papa Gregório I entre a Itália e os lombardos.
.....Consolação da Filosofia é escrita por Boethius.
.....Ergue-se a Hagia Sophia em Constantinopla.
.....Início da influência bizantina nas artes da Itália.
.....São Gregórios de Tours inicia a História Francorum.
.....Escrito Os Diálogos por Gregório I e incentivo ao Cantuchão, Canto Gregoriano.
.....600 d.C.
.....Isidoro de Sevilha escreve as Etimologias declarando que os reis devem prover o bem-estar da Igreja.
.....O papa ajuda na ação militar contra os lombardos, atrasando a queda dos domínios bizantinos na Itália.
.....Término da fusão entre os povos bárbaros e romanos.
.....Introdução de órgãos nos ofícios religiosos.
.....Morre Dagoberto, último rei Merovíngio que teve seu reinado próprio.
.....O Major Domus aos poucos vai tomando o comando em lugar dos reis na França.
.....Restruturação da escrita musical na Europa, com seu início no reinado franco.
.....700 d.C.
.....São Bonifácio vai a Frísia.
.....Proibição das imagens sacras pelo imperador bizantino Leão III e se dá início a controvérsia Iconoclástica.
.....Início do questionamento das posses da Igreja na Gália Merovíngia.
.....Pepino I doa territórios italianos a Estevão II que promete defendê-lo dos lombardos.
.....Na França, São Bento promove reformas nos mosteiros beneditinos.
.....O comércio no Mediterrâneo controla a economia em toda a Europa.
.....Os mulçumanos tomam as águas do Mediterrâneo passando o controle econômico europeu para o islã até o século XI.
.....Começa a fundar-se na Itália e Gália o sistema feudal.
.....A Espanha é dominada pelos mulçumanos derrotando os visigodos.
.....Carlos Martelo, um Major Domus, derrota os mulçumanos em Poitiers.
.....Pepino I é erguido como rei dos francos dando início à dinastia Carolíngia.
.....O Império Bizantino perde seu último reduto na Itália, Ravena, para os lombardos.
.....Carlos Magno derrota os lombardos.
.....Primeiro poema anglo-saxônico, Beowulf é escrito.
.....Completada a História Eclesiástica da Nação Inglesa por Beda.
.....Carlos Magno convida Alcuíno para lecionar em sua corte.
.....Início da construção da catedral de Aachen.
.....800 d.C.
.....Fim do Cisma Iconoclástico em Constantinopla com as imagens sendo restauradas e permissão para sua adoração.
.....Capitulares de Villis de Carlos Magno determina a manutenção dos palácios reais.
.....Carlos Magno instala várias escolas na esperança de rever o conhecimento dos antigos gregos-romanos.
.....O papa Leão III declara Carlos Magno como imperador do Sacro Império Romano.
.....Luis, o Piedoso, sucede Carlos Magno no trono como novo imperador.
.....O império de Carlos Magno é divido pelo tratado de Verdum.
.....Auge das invasões vikings.
.....Em Wessex, Alfredo, o Grande é corado Rei.
.....Chega ao fim a dinastia Carolíngia.
.....Mantida a literatura clássica conseguida na reforma intelectual das escolas de Carlos Magno.
.....Morre Einhard, biógrafo de Carlos Magno.
.....900 d.C.
.....Fundada a Abadia de Cluny.
.....Oto I exige do papado o juramento de fidelidade antes de sua coroação como imperador do Sacro Império Romano.
.....O rei Oto I da Alemanha é corado imperador.
.....Salacerno torna-se o mais importante centro médico da Europa.
.....Estabelecido em definitivo o sistema feudal na Europa.
.....Fundado o ducado da Normandia pelo chefe nórdico Rolão.
.....Início da dinastia dos Capetos na França com a coroação de Capeto.
.....Gerberto, o Professor, é eleito papa com o nome de Silvestre II, sendo o primeiro papa francês.
.....1.000 d.C.
.....Convertidos ao cristianismo os reinos da Hungria e da Escandinava.
.....Início do Cisma da Igreja Grega.
.....O papa Nicolau II decreta o sistema de eleição de um papa por um colégio de cardeais.
.....Início das controvérsias entre o papado e o Império Bizantino.
.....Em Citeaux, São Roberto de Molesme funda a Ordem Cistereiense.
.....Início da fabricação em escala de lã em Mainz.
.....Canuto, o Grande, rei da Dinamarca, torna-se rei da Inglaterra.
.....Início da guerra dos cem anos entre França e Inglaterra.
.....Os normandos conquistam a Sicília.
.....A batalha de Hastings é vencida por Guilherme da Normandia.
.....A primeira Cruzada retoma Jerusalém das mãos dos muçulmanos e lá inicia um novo reinado cristão.
.....O micrologus é escrito e transforma a música medieva.
.....Chega ao auge o período romanesco.
.....O professor e filósofo francês, Pedro Abelardo, escreve Sic et Non, História .....Calamitatium, Cartas para Eloísa e vários hinos.
.....Guilherme IX, duque da Aquitânia, torna-se o primeiro trovador.

 

.