O Homem Egípcio...




.....Passaram-se mais de 3 mil anos de desenvolvimento do egípcio entre sua ascensão e sua decadência. A própria Grécia, em seu auge, tratava o povo egípcio e seus monumentos, de igual esplendor, como nós os tratamos hoje.
..... Quando Creta construiu seu primeiro palácio em Cnossos, o Egito já era um império dominante no vale do rio Nilo, com uma cultura de altos conhecimentos e elevadas técnicas, desde a agricultura até a arquitetura e arte, o que lhes vale um lugar mister na história do Homem.

.....Egito, um império singular.
.....Perto de doze mil anos atrás, em paralelo aos povos do crescente fértil entre os rios Eufrates e Tigre, o povo do Egito começou, a seu modo, se reunir em pequenas tribos nas margens do rio Nilo, aproveitando suas cheias para o cultivo da terra. Tendo a natureza a seu favor, na qual os desertos os protegiam dos outros povos, se reproduziram em grande escala e, sem um líder, tinham como política a ajuda mútua.
.....Sem predadores naturais e com os inimigos (se é que existiam na época) fora de alcance, o povo egípcio desenvolveu sua cultura isoladamente de maneira rápida, transpondo todas as dificuldades de sobrevivência, chegando a viver com grande qualidade de vida. Com tanta segurança e ordem, tiveram tempo e tranqüilidade para entenderem as cheias do Nilo, desenvolvendo, por meio de troca de informações entre as tribos iniciais, sistemas de irrigação pelos quais passaram a cultivar em suas margens o ano todo, pulando da cultura agrícola de subsistência, para a cultura agrícola de abastecimento. Desenvolveram ainda, neste meio tempo, o domínio das técnicas de domesticação de animais. Assim, o Egito viu nascer duas culturas, relativamente iguais, mas, pela distância, dois povos singulares, sendo estes hoje, distinguidos como o povo do Alto Egito e o povo do Baixo Egito.
.....As tribos reunidas em confraternização, tanto no interior do continente (Alto Egito), como ao norte, entre o centro do atual Egito até o delta do Nilo (Baixo Egito), vivendo em perfeita paz, harmonia e com extrema organização social, aumentaram suas respectivas populações, transformando as aldeias em cidades e, há cerca de 5 mil anos atás, se unificaram em torno de um só governante, o que deu início a conduta e ordem de todos, centralizados em uma só figura religiosa: o Faraó. Essa foi a primeira de mais de 30 dinastias de Faraós que o mundo viu nascer e morrer no império egípcio.
.....Com o poder centralizado, estes dois reinos prosperam em ritmo acelerado, mantendo a ajuda mútua e se organizando como uma verdadeira sociedade, sendo considerada hoje, como a primeira nação-estado no mundo.
.....Com o desenvolvimento da escrita e da matemática, os egípcios tiveram um grande salto cultural e tecnológico, pelos quais se teve o desenvolvimento da irrigação, dos diques, da ordem pública, da arte e da arquitetura, entre outras noções que os levaram a uma estrutura político-social sem precedentes na época.
.....Esta nação tem o conceito histórico atual dividido em três épocas para fins didáticos, sendo o antigo império, que teve início perto de 2.700 a.C. até perto de 2.200 a.C. no qual se construíram as grandes pirâmides; médio império, entre 2.000 a.C. a 1.800 a.C. no qual se deu o maior desenvolvimento político, econômico e religioso e; o novo império, que foi de 1.600 a.C. até perto de 1.100 a.C. no qual conquistou fama e respeito de outros povos emergentes como um império de força e riqueza inigualável.
.....Com sua força política e econômica e mais a proteção natural dos desertos, mantinham a idéia de invasão ao império inviável. Mesmo, quando por uma vez ou outra, era invadido, o povo egípcio sempre conseguiu manter seus Faraós no trono, até a chegada das forças militares de Alexandre, o Grande da Macedônia, no século III a.C.
.....Desde o início, o povo egípcio se manteve por vontade própria nas mãos dos Faraós, por quais estes se personificavam como deuses vivos. Governavam por meio de uma hierarquia de funcionários, na qual a soma da escrita (hierogrifos), tinham em mãos todos os registros das obras, plantações, estoque etc., e como deuses, tinham em mãos também os sacerdotes que controlavam a religião. Governavam com grande respeito ao povo, dando-lhes ordem e paz.
.....Nesta forma de governo aristocrátia, tinha o Faraó, uma imensa mão de obra a sua vontade para executar as "tais" obras faraônicas. Organizava exércitos e, principalmente, dividia a população de maneira ordenada por qual todos tinham o que fazer, atendendo todos os anseios de uma nação em desenfreado crescimento.
.....Com seus registros nos papiros e nos afrescos, o povo egípcio passou a ter memória de conduta, levando-os a mais bela organização social da época. Neste tempo, os artistas, poetas, artesões, religiosos e demais áreas cotidianas, ganharam mais valia levando o império à categoria de nação altamente civilizada. Foram os primeiros, mesmo em volto a muita magia e religiosidade, a entrarem no ramo da medicina. Testaram e aprenderam muito, chegando seus médicos a serem procurados por todas as aristocracias dos povos em desenvolvimento no Oriente Médio e, seu legado, reconhecido séculos após pelo historiador grego Heródoto, por exemplo.
.....Em meados de 2.600 a.C., o povo egípcio, com a produção em massa de seus produtos básicos, passou a comercializá-los com os povos do Mediterrâneo, Mar Vermelho e, através do estreito de Suez, com os povos do extremo Oriente Médio, levando o papiro, tecido, plumas de animais exóticos, alimento etc., em troca de madeira de lei, lápis-azúlis, turquesa, bronze, cobre, ouro, prata, entre outras mercadorias raras e inexistentes no império.
.....Com tanta riqueza e segurança, o povo egípcio saiu das casas de adobe para as casas de pedra, e assim, a arquitetura teve seu maior salto, dando continuidade às obras faraônicas consagrando a arquitetura egípcia como a mais bela e rica daquela época.
.....Era um povo, do contrário do se pensava até pouco tempo atrás, jovial com adoração ávida a vida cotidiana e com a certeza e alegria de se ter na morte, uma continuação da vida no mundo dos mortos, que, diga-se de passagem, para este povo, era o paraíso. Daí, tantos túmulos e múmias embalsamadas por todo o território do antigo império egípcio. O egípcio gastava o que tinha na preparação do seu túmulo, bem como o aglutinamento de objetos e utensílios diários para serem usados na vida do pós morte.
.....A qualidade de vida nas cidades egípcias era tamanha que causava inveja aos viajantes e visitantes dos povos próximos. Eram raras as perturbações públicas, revoltas ou guerras internas e, mesmo assim, de pouquíssima duração. A fome era praticamente coisa desconhecida pelos egípcios.
.....A sociedade era bem dividida em classes sociais distintas e aceitas de bom grado por todos, tendo como idéia, uma sociedade perfeita.
.....Os nobres, que controlavam as terras cultivadas, geralmente viviam em grandes casas de até dois andares e, seus camponeses, na beira do rio Nilo, cultivando a terra, criando suas famílias sem lhes faltarem nada. Os altos funcionários do império tinham relativamente as mesmas mordomias que os nobres. Já os súditos, viviam de suas próprias forças nas cidades que ao mesmo tempo, lhes davam toda condição de uma ótima existência. Os sacerdotes eram subsidiados pelos cofres do Faraó, considerado o deus vivo, levando suas vidas no, digamos, bem e bom em troca da não objeção da centralização religiosa no próprio Faraó. Os governantes tinham suas recompensas por boa administração e serviços prestados ao Faraó e ao povo. A aristocracia vivia nos palácios com muito luxo e pomposa vida. Tudo isso não gerava revolta social, pois todos levavam suas vidas sem problemas, nas quais o orgulho e ganância eram coisas raras.
.....Existiam, como em toda civilização da época, os escravos e a classe de soldados profissionais, que pela bela vida egípcia, quase nunca se fazia valer como força.
.....Todo este esplendor começou vir à tona para o homem atual quando entenderam que o clima desértico e falta de umidade, preservou durante muito tempo as coisas do antigo povo egípcio, e que, todos aqueles monumentos gigantescos e objetos esquisitos, levados para enfeitar os palácios europeus, pertenciam a um povo muito antigo, mais antigo do que se imaginava.
.....Em 1.798, Napoleão ao invadir o Egito, mandou vários historiadores e sábios que começaram a desenvolver uma certa ordem nas escavações e catalogação dos objetos e que, mesmo assim, foi um desastre. Entretanto, começou a mostrar quem realmente foi o antigo povo egípcio. Em 1.822 d.C. o filólogo francês Jean-Françóis Chaupollim decifrou a escrita egípcia num achado de uma roseta, cujas inscrições acompanhavam simultaneamente, seus respectivose scritos em grego. Daí em diante, o mundo passou a conhecer a amplitude e o legado que este povo nos deixou.
.....Houve nesta época, uma intensa corrida aos tesouros egípcios, o que levou o governo do Egito, em 1.858, a elaborar uma lei de proteção destas antigüidades e a contratação de profissionais qualificados para as escavações e a criação do museu do Cairo, evitando assim, os mercenários e caçadores de tesouros que revendiam os artefatos antigos aos excêntricos e inescrupulosos de toda a Europa. Mas foi apenas em 1.880, com o egiptólogo inglês William Mallhew Flindes Petrie, que as escavações tomaram realmente cunho sério a ponto de se organizar todos os achados e teorias em um só estudo e ações, reconstruindo assim, como, quando e onde estavam os principais feitos deste povo. Hoje se é ensinado nas escolas de todo o mundo a verdadeira história dos egípcios, inclusive em seus mínimos detalhes, desde o primeiro Faraó até a famosa Cleópatra, última representante deste povo.



Resumo histórico do povo egípcio:

.....10.000 a.C. a 4.500 a.C.
.....Início das aldeias nas margens do rio Nilo onde a ajuda mútua era a lei. Prosperaram devido à defesa natural (desertos) que os protegia dos povos em ascensão no crescente fértil.
.....4.000 a.C.
.....Desenvolvem dois pseudo reinados. O Alto Egito e o Baixo Egito.
.....3.200 a.C.
.....Menés, primeiro Faraó unifica o Alto e Baixo Egito em uma única nação e constrói a capital em Mênfis.
.....3.100 a.C.
.....Desenvolve-se a escrita egípcia, os hieroglifos e o calendário para a cultura agrícola.
.....Início do comércio entre as cidades emergentes.
.....Uso de instrumentos e armas de cobre.
.....3.000 a.C.
.....É desenvolvida técnicas e grandes obras de drenagens do rio Nilo paraa a irrigação nas plantações.
.....Início das expedições ao Sudão.
.....Início dos grandes túmulos perto de Abidos e Mênfis.
.....2.900 a.C.
.....Revoltas e dissoluções políticas entre o Baixo e Alto Egito.
.....Primeiro tratado cirúrgico no mundo.
.....Uso de ardósia e granito na estatuária egípcia.
.....Aumento de pedras nas grandes construções.
.....2.800 a.C.
.....Reunificação do Baixo e Alto Egito pelo Faraó Khasekhemui.
.....Desenvolvimento da arte nos artefatos de marfim, madeira, faiança e metal.
.....2.700 a.C.
.....Zoser, o melhor Faraó, o mais respeitado e honrado até então.
.....Grandes obras em pedra e a construção da pirâmide em degraus em Sacara.
.....O Egito toma a Núbia.
.....2.600 a.C.
.....Destaques aos Faraós Queóps, Quéfren e Miquerinos.
.....Em Darshur, é construída a pirâmide inclinada de Snefru.
.....2.500 a.C.
.....Começa a guerra entre os núbios e os líbios.
.....Início da extração de cobre em grande escala no Monte Sinai e a importação de madeira do Líbano.
.....2.400 a.C.
.....Ouro e incenso são importados de Punt.
.....Começa a decadência do poder inquestionável dos Faraós.
.....Início das construções da Esfinge e das grandes pirâmides em Gizé.
.....Rá, deus-sol tem sua maior importância política e religiosa em Heliópolis.
.....Inscrições em túmulos reais e registros fúnebres.
.....Início do comércio de artesões para produtos em madeira e pedra para particulares.
.....2.300 a.C.
.....Pepi II vê grande agitação no império egípcio.
.....Nobres feudais constroem seus túmulos nos territórios faraônicos.
.....Grande anarquia na ascensão dos senhores feudais.
.....2.200 a.C.
.....Caos social e real enfraquecimento dos Faraós. Vários Faraós com breves reinados sem ambições ou força.
.....Declínio artístico e saques aos túmulos faraônicos.
.....2.100 a.C.
.....Guerra civil entre os recém governantes heracleopolitanos do Baixo e Médio Egito contra os tebetanos do Alto Egito em disputa pela hegemonia administrativa.
.....Os textos fúnebres dos Faraós são inscritos também nas câmeras mortuárias dos nobres.
.....2.000 a.C.
.....Reunificação do império sob o governo do Faraó tebano Mentuhotep II, implantando Tebas como a capital do império.
.....Com a volta da ordem social e política, a arte ressurge e toma rumo ascendente.
.....Construção em Deie el-Bahri do templo fúnebre de Mentuhotep II.
.....1.900 a.C.
.....Domínio dos Faraós sobre os nobres e senhores feudais. Desenvolvem a irrigação, exploração mineral do Monte Sinai e estabelecem a fronteira até a terceira catarata do rio Nilo.
.....Grande avanço cultural, arte em retrato e grande respeito na literatura.
.....Templos e estátuas em escala colossal.
.....Aparece o deus Amôm.
.....1.700 a.C.
.....Cai a autoridade central.
.....Os reis hicsos vindo da Ásia tomam o Egito.
.....Declínio das idéias e artes egípcias.
.....Ascensão da filosofia de vida e cultura dos hicsos.
.....1.600 a.C.
.....Em mãos do hicsos, os egípcios conhecem o poder militar dos asiáticos.
.....A Nanúbia e o baixo Sudão se libertam.
.....Melhoria na arte têxtil e uso do bronze em grande escala.
.....Introdução da Lira, Tamborim e Oboé.
.....1.500 a.C.
.....Amose I expulsa os hicsos e Tutmose II expande o império até as margens do rio Eufrates.
.....Grandes nomes faraônicos como Hatshepsut, Amonhotep IV (Aquenátom), Tutancâmon e Horemhab.
.....Artesanato opulento e literatura florescente.
.....Aquenátom tenta impor ao povo egípcio em jogada política o monoteísmo.
.....Criação do Vale dos Reis, Templo de Amonhotep III em Luxor e o Templo de .....Hatshepsut em Deir- El-Bahri.
.....1.300 a.C.
.....Os hititas são derrotados nas suas tentativas de invasões pelos Faraós Seti I e Ramsés II.
.....Decai o poder militar nas mãos do Faraó Merneptah.
.....Desenvolvimento da construção. Templo de Ramsés II em Tebas, Sala Hipostila em Carnaque e o Templo escavado na rocha em Abu-Simbel.
.....O Livro dos Mortos é escrito em rolos de papiro.
.....1.200 a.C.
.....Os Faraós Ramessidas (Ramsés III a IX) repelem as tentativas de invasões dos líbios e dos povos do mar.
.....Perda das colônias asiáticas.
.....Primeira fome e rebeldia do povo no império desde sua instituição há cerca de cinco mil anos atrás.
.....Em Tebas, os túmulos são saqueados.
.....1.000 a.C.
.....Exércitos mercenários dos líbios protegem o Egito dividido.
.....Conclusão do Templo de Khons em Carnaque.
.....900 a.C.
.....Faraós de origem Líbia.
.....Nova era no artesanato sob influências líbias.
.....Aperfeiçoamento das artes em forja.
.....Vários trabalhos em bronze e faiança.
.....800.a.C.
.....Invasão à Palestina e saque ao túmulo de Salomão.
.....Crescentes brigas internas incentivam a invasão ao Egito pelos núbios.
.....700 a.C.
.....Sobe ao poder um Faraó do Baixo Egito que tem curta duração.
.....600 a.C.
.....Sobe ao poder os Faraós núbios
.....Tebas é saqueada pelos assírios durante invasões de pilhagem.
.....Os Faraós núbios incentivam o estudo do passado e dá início ao renascimento cultural egípcio e, novo realismo na escultura é instituído.
.....500 a.C.
.....Ganho da independência dos assírios. Desenvolvimento da esquadra militar, ativação do comércio exterior e início do intercâmbio com a Grécia.
.....Volta da arte passada e maior perfeição nas gravações das inscrições.
.....450 a.C.
.....Invasão e domínio do império persa. Abertura do canal entre o Egito e o Mar Vermelho.
.....Sob a ordem de Dario I, rei da Pérsia; é codificado as leis egípcias.
.....Expulsão dos persas com ajuda dos exércitos gregos.
.....Sobe novamente um Faraó de origem egípcia.
.....400 a.C.
.....Os Faraós do Delta sobem ao poder por curto tempo, sendo os últimos Faraós nativos do Egito. Império da Pérsia ataca e subjuga novamente o império egípcio.
.....Em grande número, são levantados os monumentos pelo Faraó Acóris.
.....Início do fim da pura arte egípcia.
.....300 a.C.
.....Construção do Templo de Isis em File, de Hóruns em Edfu, Kom Ombo e de Hátor em Denderá.
.....Invasão grega sob o comando de Alexandre da Macedônia, o Grande.
.....Morte de Alexandre e início da Dinastia Ptolomaíca.
.....Último Faraó, Cleópatra, cai durante a invasão do ascendente império romano.

 

.