Resumo dos principais filósofos...

Spinosa (1.632 - 1.677)


.....Spinosa foi um matemático e cientista. Sua tese era a da existência de apenas uma substância universal, responsável pela existência de todas as coisas, e que, tal substância seria Deus. Foi, em sua época, conhecido como o "Obcecado por Deus".


.....Procurou em seus escritos provar que Deus é tudo e tudo é Deus. Sua diferença foi procurar estas provas no mundo da razão para então, segundo sua próprias palavras:
....."Ter um gozo contínuo e supremo para toda a eternidade."
.....Alemão, filho de judeus caçados pela inquisição espanola que, refugiados em Amsterdã, deram a luz a Spinosa. Em em sua vida adulta, foi expulso pela comunidade judáica por pensamentos heréticos.
.....Influenciado por Descartes, Spinosa escreve o "Tratado da Correção do Intelecto", no qual, encontramos críticas e elogios sobre o próprio Descartes. Escreveu anonimamente, uma obra com a qual defendia a liberdade de pensamentos e experssão e, depois, sua obra intitulada "A Ética". A obra anonima, logo foi descoberta pela comunidade judáica como de sua autoria, colocando-o fora da comunidade, tamanha a indignação que seu conteúdo causou. Atacado por vários artigos e comentários, Spinosa mudou para a Hoalnda onde não foi mais molestado e, mesmo assim, não arriscando mais nenhuma publicação neste sentido.
.....Acreditiva que somente a matemática explicaria as coisas latentes do Universo.
.....Defendia a tese de que somente com o conhecimento verdadeiro o Homem poderia viver feliz e próspero. Usou como base para essa tese, sua idéia de única substância, que alhúres, é o que é em si mesma e é reconhecida por si mesma, sendo em si, independente de tudo o mais.
.....Argumentava que a substância primeira seria a natureza ou Deus. Foi perseguido por relacionar Deus e o Universo físico, conquanto, provando que uma substância é alguma coisa, então não relacionar o Universo com a matéria seria uma contradição ao próprio conceito de Deus, afirmando assim, que o criador e criação seriam coisas da mesma substância. Para Spinosa, Deus e natureza seriam uma só coisa, auto-criados e eternamentes livres.
.....Segundo Spinosa:
....."Na natureza das coisas, nenhuma contingência é admitida, mas todas as coisas são determinadas pela necessidade da natureza divina de existir e agir de um determinado modo."
.....Assim sendo, temos como temática: Deus e Natureza em conjunto como coisas livres e as demais como coisas determinadas pelas liberdades destas primeiras. Spinosa explica a liberdade humana como sendo uma coisa pre-determinada por Deus, ficando apenas ao Homem, a liberdae de enxergar as coisas materiais como melhor lhe convier, sendo apenas uma extenção da liberdade divina. O Homem é apenas um conjunto de partículas menores diferenciada apenas pela liberdade da mente, cuja mente é a idéia do corpo como seu material, deixando de lado a dúvida dualista de Descartes sobre a relação e intereção entre mente e corpo.
.....A liberdade humana para Spinosa era o melhor uso do conheciemento aculmulado na mente, ou, em outras palavras, a liberdade humana deriva proporcionalmete ao uso de seu intelecto.
.....Dividiu o conhecimento em três níveis, sendo o primeiro as coisas percebidas pelos sentidos, o segundo, pela representação destes estimulos em idéias atreladas as coisas já conhecidas na mente e, o terceiro, o conhecimento intuitivo, decorrente da lógica racional das duas primeiras. Este último, considerado por Spinosa como o conhecimento mais alto do Homem.
.....Para este filósofo, quanto mais conhecemos as coisas e suas particularidades, mais chegaremos perto do conhecimento de Deus. Assim, quanto mais enterdermos as particularidades das coisas, suas ações em relação as suas reações, mais entenderemos a vida e, logo, sofrendo cada vez menos as causas latentes da natureza, temendo cada vez menos as coisas más e a morte.
.....Segue, nas próprias palavras de Spinosa, sua tese:
....."Aquele que entende clara e destintamente a si mesmo e cujos afetos são destinados ao amor de Deus, irá amá-lo melhor, quando melhor entender a si mesmo e seus afetos... E por meio do terceiro conhecimento, poderá chegar a paz de espírito."
 

.