Resumo dos principais filósofos...

Butler (1.692 - 1.752)


.....Foi, além de filósofo, bispo anglicano de Durham. Nasceu em Wantage, Berkshire, Inglaterra. Trabalhou sob o tema moral, voltado em dado momento, para teologia natural e em outro, para a teologia da revelação, se concentrando mais na teologia natural.


.....Seu foco era o amor individual iluminado, defendendo o amor próprio como contendo a pura fraternidade e benevolência para com o próximo.
.....Imaginou a consciência como regente de um sistema hierárquico de coisas em relações entre si. Afirmava estarem certos os ensinamentos religiosos alegando serem os seus conhecimentos provindos da divina providência.
.....Explicava o Homem em primeira estância como coisa que continha desejos, gula, paixão, habilidade de julgar etc. Estes elementos organizados nos dão a idéia de pessoa superior e o contrário disso, inferior, com as quais a essência natural da consciência é violada. Paixão e apetite, para Butler, eram coisas consideradas inferiores, a benevolência acima deste e, o amor próprio ainda acima destes dois, ficando a consciência como de grau mais alto nesta hierarquia.
.....Pregava o amor próprio sem egoísmo e a razão devendo ser fria e razoável, trabalhando para a verdadeira felicidade, pela qual se deve fazer apenas o que se acerte como correto, não causando assim, conflitos internos.
.....Afirmava esta tese na seguinte temática:
....."Amor próprio, em geral, coincide perfeitamente com a virtude e nos guia igualmente para o desenvolvimento da vida."
.....Defendia neste teorema que um homem virtuoso não precisaria negar seus interesses próprios e o prazer em si. Que a consciência, embora mais superior no campo dos pensamentos e, não necessariamente mais forte que o amor próprio, distingue o certo do errado, o que é bom e o que é ruim.
....."A consciência, sem ser consultada, sem ser aconselhada, magistralmente, no seu próprio exercício, aprova ou condena."
.....Desta maneira, a consciência é uma coisa natural e ortogada por Deus para o Homem para que a moralidade natural consolide a distinção dos conceitos falsos. Não se preocupou com as diferentes culturas e crédulos por ser um sistema voltado ao indivíduo em sua particularidade, por qual, cada um tem seu próprio curso na vida e que, cada qual, tem seus conceitos de certo e errado, tendo em mente o preposto de que, se, os princípios naturais estiverem trabalhando em perfeita hierarquia, não haverão conflitos entre a consciência, benevolência e amor próprio.
.....A natureza para este filósofo é um resultado da divina providência e, em seu estudo, nos dá a forma de entendermos como somos e como deveríamos ser. Formulou várias analogias entre a natureza e a religião, como por exemplo, que todas as criaturas vieram ao mundo e foram nutridas por outras, Deus governando o mundo, Jesus Cristo como seu intermediador etc.
.....Não encontramos estas analogias nas escrituras sagradas mas, não podemos usar este fato contra este sistema, pois, estas analogias estão muito acima do alcance de nossos pensamentos. Sua analogia geral está fundada entre o que é certo em nossas experiências ordinárias e diárias e na doutrina religiosa e, se aceitamos como verdades as experiências ordinárias, então aceitamos os princípios da religião.
.....Ajudou a postular a filosofia moderna, conquanto, seus conceitos fortificaram as idéias de estudo da natureza humana e a consciência particular de cada homem governando a conduta moral, e antes, em si próprio.
 

.