Resumo dos principais filósofos...

Berkeley (1.685 - 1.753)

.....Filósofo irlandês de nascença, mas inglês por descendência.


.....Completou seus estudos sobre filosofia na universidade de Trinity em Dublim.
.....
Sua primeira obra, "Ensaio Sobre a Nova Teoria da Visão", foi publicada quando ainda tinha apenas vinte e quatro anos... Outras obras foram: "Tratado dos Princípios do Conhecimento Humano" e a mais famosa, "Os Princípios".
.....Sua filosofia era baseada na não existência da matéria, alegando que as coisas físicas as quais percebemos e que damos como coisas existentes no mundo exterior, eram simples coleções de idéias presentes apenas em nossas mentes.
.....Essa temática ficou conhecida como idealismo, na qual Deus implanta as idéias nos homens de maneira ordenada e, na mente de Deus, tudo existindo em todos os tempos. Não obstante, a verdadeira realidade existe na mente infinita de Deus e na mente finita dos homens, conquanto, a comunicação entre estes últimos, se dando por meio das idéias, como afirmava Locke.
.....Com seu sistema, entrou em controvérsia com seus antecessores, os quais afirmavam a relação matéria e não matéria, mente e razão, em relação as substâncias e suas propriedades, colocando Deus como o sustentáculo de todo o processo, necessário a todas as coisas. Também encontrou rejeição de suas teses nos cientistas que, no mundo físico, estavam provando por A mais B, muitas das coisas latentes do Homem e da natureza. Berkeley refuta essas divergências alegando que antes das experiências cientificas serem executadas, são primeiramente elaboradas na mente, tendo o resultado final como produto de uma reação causal na mente. Isto foi refutado em sua época, mas no século XX, os filósofos e cientistas entenderam que a teoria é antes formulada na mente e depois experimentada e, seus resultados considerados úteis e não coisas factuais.
.....Suas idéias iam em desencontro com as novas técnicas cientificas, as quais se sustentava um mundo atômico em uma estrutura mecânica com operacionalidade própria. Trabalhava-se com a temática da matéria como massa, forma, tamanho, movimento etc., sendo estas, as qualidades primarias de toda matéria, e, as coisas sentidas pelo sistema sensorial, como qualidades segundarias, como por exemplo, sabor, odor etc., como afirmava o sistema filosófico de Locke, o pensador que melhor discerniu este tema.
.....Berkeley formulou seu sistema refutando tais teses, mas, ao mesmo tempo, concordando com Locke que as idéias, dentro da mente, como coisas realmente percebidas e, salvo este conceito, o resto se difere, e muito.
.....Mostrou na prática que toda a representação do mundo externo era toda formulada e concebida na mente, como por exemplo, a velocidade de um carro que pode dar a impressão de grande velocidade se o observador estiver perto do referido objeto e, muito devagar, se o observador estiver longe, dando este julgamento de quantidade de velocidade em diferentes números de uma mesma coisa analisada, refutando assim, a idéia de Locke que diz ser as qualidades primarias na mente e as segundarias nas coisas.
.....Assim Berkeley afirma:
....."Quando nós fazemos o máximo para conceber a existência dos corpos externos, nós estamos o tempo todo contemplando apenas as nossas próprias idéias."
.....Para Berkeley, o fato de existir é apenas uma concepção de ser percebido e perceber. Conclui e mostra ainda o erro dos antigos filósofos:
....."Tomar como base o seu desconhecimento do que era a existência e no que se consistia, foi a origem de toda a loucura. É na descoberta da natureza, significado e na importância da existência que eu, principalmente, insisto."
.....No sistema de Berkeley, podemos afirmar a existência somente das idéias e dos espíritos. Assim, os espíritos percebem e as idéias são percebidas, pelas quais o espírito é ativo e causador das idéias e, as idéias em si, passivas. Deus, nesta concepção é tido como o causador máximo, verdade última das idéias nos homens que as percebem como mundo exterior. E as idéias latentes referentes as coisas lembradas de experiências sensorias passadas, são tidas como idéias próprias e em particular a cada homem.
.....Na realidade, o que este filósofo nos passa, é o conceito de que a lógica, as teses, os conceitos etc., são coisas inerentes apenas em nossas mentes, não retratando a realidade como realmente ela a é, colocando Deus apenas como um mero inventor do mundo e do Universo mecânico que não depende em mais nada Dele. Já nas idéias abstratas de Locke, ele as considera um grande erro, mesmo que explicadas nas experiências científicas. Para Berkeley, a abstração é desnecessária e suas concepções impossíveis como realidade, porquanto afirma:
....."Eu posso considerar a mão, o olho, o nariz, cada um abstraídos por si mesmo ou separado do resto do corpo, porém não posso configurar uma noção geral pela abstração dos particulares."
.....Isto é importante, visto que as semelhanças de particularidades constituem idéias perceptíveis, enquanto que as idéias abstratas, pela "lógica", impossíveis.
.....Em relações a suas explicações sobre as coisas do espírito, não se sai muito bem para manter a coerência entre mente e espírito. Sob análise, como o espirito poderia existir se sua concepção não passa de uma idéia? E, ainda, as idéias sendo passivas?
.....Berkeley afirma que os espíritos são seres ativos e, como tais, nunca serão idéias. Idéias só são percebidas pelo espírito e logo, as idéias não existem sem o espirito, mas este existe sem as idéias. Pois são os espíritos que desencadeiam coisas como ódio, amor, medo etc.
.....Para Berkeley, tudo depende da vontade de Deus e, por meio de Deus que nossos espíritos percebem a existência de outros espíritos. Defende que as coisas más que acontecem aos homens, provindas da natureza, não são coisas más, mas sim coisas necessárias para o desenvolvimento e bem-estar dos próprios homens, sendo Deus, uma coisa que jamais criaria algo que realmente fosse mal.
.....Em síntese, tenta aglutinar o conceito de matéria ao conceito de idéias. Tal tese é refutada por todos os seus contemporâneos, mas que, em momento algum, isso hoje, o desvaloriza como um filósofo.
 

.