Resumo dos principais filósofos...

Aristóteles (384 a.C. - 322 a.C.)

.....Dois mil e quinhentos anos se passaram após a morte de Aristóteles e, suas idéias e teses, assim como as de Platão, estão presentes até nossos dias.


.....Mesmo sendo aluno de Platão, Aristóteles nunca se declarou ser seu incontestável seguidor.
.....Natural de Estagira, norte da Grécia - território grego-macedônio em seu tempo. Ingressou aos dezenove anos na Academia de Platão e lá desenvolveu seus estudos até a morte de seu mestre. Depois seguiu para Assos, Ásia Menor por três anos e, em seguida em Mitilene, na ilha de Lesbos, com um grupo de sábios, lá permanecendo mais de dois anos estudando filosofia e biologia.
.....Em suas idéias, Aristóteles segue a linha objetiva das coisas, pela qual desenvolveu um sistema sistemático das ciências particulares. Determinou que a primeira filosofia seria a ciência do ser, na qual, esta estaria intrínseca em todas as outras coisas como ser em si, tomando-a como um conceito fundamental para seus estudos.
.....Escreveu muito sobre lógica, física, história natural, psicologia, política, ética e arte. Foram dez volumes sobre estes assuntos que chegaram completos até nós, escritos em um regime acadêmico rigoroso. Já os livros escritos aos leitores leigos, foram perdidos para sempre no tempo.
.....Cícero, ao ler estes tratados dirigidos aos menos cultos, afirmou que possuía um estilo literário e eloqüência dourada. Estes tratados foram admirados e comentados por todo o mundo antigo até se perderem no tempo.
.....Em 342 a.C., foi convidado por Filipe da Macedônia para humanizar seu filho e herdeiro ao trono, Alexandre que, após a morte do pai, se tornou o herói Alexandre, o Grande. Aristóteles, em 335 a.C., retornou à Atenas e fundou sua própria escola, Liceu, na qual lecionou por doze anos. Após a morte de Alexandre, em 322 a.C., foi perseguido pelos atenienses sob o forte ressentimento contrário à Macedônia e, em singular, o filósofo, por causa de suas relações particulares com a nobreza macedônia. Para não ter o mesmo destino que Sócrates, Aristóteles fez como Platão na ocasião em Siracusa, exilou-se de Atenas, indo para Chalcis e lá rogou o pecado dos atenienses que, pela segunda vez, conflitaram contra a filosofia. Morreu um ano após o exílio aos sessenta e dois anos.
.....Foi o filósofo que iniciou o sistema lógico, ora perpetuado no sistema de estudos filosóficos e científicos dos nossos dias. A lógica, para Aristóteles, era tida como uma ferramenta universal para estudos e acúmulo de conhecimento de todos os tipos e formas. Seu trabalho "Organon", extensa obra, é toda desenvolvida em cima deste tema. Em suas teses, a lógica primordial é o silogismo, pelo qual, em um discurso, quando dada certas premissas, pode-se extrair uma conclusão conseqüente por análise destas mesmas premissas. A forma mais simples deste sistema de silogismo são três proposições, conquanto, duas seriam as premissas e uma, a última, a conclusão. Como exemplo:
....."Todos os homens são mortais.
.....Sócrates é um homem.
.....Logo, Sócrates é mortal.
"
.....Não obstante, desenvolveu também a lógica dialética que leva em conta, em suas premissas, os fatos observados por uma ótica valorativa, ficando a conclusão definida a favor dos melhores argumentos (argumento forte x argumento fraco). Assim, organizou a arte da oratória e da retórica.
.....Dividiu a lógica em dez categorias ou predicados, nos quais, o sujeito da preposição pode se relacionar com seu predicado. Suas categorias são: qualidade, substância, quantidade, relação, lugar, tempo, posição, estado, ação e passividade. Afirmava também, em decorrência destes silogismos que, existiam dois conceitos para a categoria substância, com qual se tem dois pares em conjuntos: forma e substância, atualidade e potência, concluindo a doutrina das Quatro Causas, nas quais, qualquer coisa tem estes quatro aspectos. Cada coisa tinha sua relação particular em si em analises diretas. Os elementos que compunham as coisas, para Aristóteles, eram o fogo, o ar, a terra e a água, tendo estes, como os milesianos, seus antecessores, os elementos básicos e mínimos, formando em diferentes combinações tudo no Universo.
.....Para Platão, seu professor, o conhecimento era distinto de crença e opinião, podendo somente ser obtido daquilo que é real, imutável e eterno e que o mundo aprendido pelos sentidos é de intensas mudanças, as quais, não se pode ter conhecimento de sua forma real, apenas nas idéias, na mente, apreendido pelo intelecto. Um exemplo disto é a matemática que tem o conceito de perfeição apenas na mente e não como objeto dos sentidos. Assim, Aristóteles afirma que o aspeto último da realidade é inatingível e, só o que não muda pode ser realmente conhecido, argumentando de maneira a refutar a teoria do Mundo das Idéias de Platão, rejeitando a tese de que há um mundo distinto do aprendido pelos snetidos, o Mundo das Formas Perfeitas. Afirmava que as coisas possuíam suas particularidades distintas e que não existiam separadamente delas mesmas e que, estas particularidades não poderiam ser explicadas como fundamento de suas formas. Refutou totalmente a tese de Platão defendendo que se se uma coisa possuía uma forma perfeita em outro mundo e uma imitação mutável no mundo aprendido pelos sentidos, então teríamos duas formas distintas, cada qual com suas próprias particularidades e assim, sucessivamente.
.....Aristóteles pregava que se tivéssemos várias vezes as experiências das coisas por várias vezes em diferentes lugares e tempo, teríamos então a premissa primordial direta de uma ciência, formando assim um conceito universal de forma na mente. O conhecimento da realidade provem de um processo de indução chegado por outro processo de intuição do intelecto em relação a exatidão de suas conclusões. O certo é que, tanto na tese de Aristóteles como na de Platão, estas particularidades, tanto juntas como em separado, estão presentes.
.....Na Metafísica, Deus era considerado, por Aristóteles, com a mesma coerência e veneração que os gregos tinham pelo intelecto e pela razão e que, influenciaram em muito, na concepção teológica dos cristãos.
.....Na questão do movimento, argumentava que tudo no Universo estava em constante movimento e por esta constância, tudo não teria nem início e nem fim, e que haveria uma força motriz gerando todos os movimentos e, esta sim, seria imóvel, considerando esta força motriz como Deus. Uma força eterna, imutável e perfeita. Produzia as coisas não de maneira física, mas de maneira que se causa a realidade, na qual, todas as coisas se movem no Universo. Este argumento inspirou séculos mais tarde, filósofos como, Agostinho, Aquino, Scott e Ockham. Com a conotação de um Deus do amor, capaz de interagir com todas as suas criaturas; a alma e o corpo físico, para Aristóteles, eram duas coisas distintas, por quanto, a alma era uma coisa imortal habitando temporariamente um corpo, no qual o animava e o fazia como ser (Homem) interagindo com as coisas da natureza. Para Aristóteles, a alma tinha seu aprendizado por conta do raciocínio da mente.
.....Entretanto, Aristóteles foi muito mais além, tendo seus trabalhos e dissertações, como por exemplo, o mapeamento do mundo animal e vegetal, classificação dos seres vivos, estudos sobre os ventos, sobre os mares, sobre o clima, análises psíquicas da dramaturgia das obras literárias, da moral, ética e política, e, por outras coisas mais, como os números e a geometria.
.....Após sua morte, seu sucessor, Teofrasto, assumiu o Liceu e deu continuidade nas suas idéias e teses até que estas chegaram, no século III d.C. nas mãos de Plotino que as reacendeu e as incorporou ao seu neo-platonismo. .....No Renascimento, os escritos de Aristóteles foram esmiuçados e, no século XIII d.C., foram alvos de vários estudos fazendo com que o Homem voltasse ao seu amor e respeito próprio, fugindo dos dogmas católicos, voltando a ver as coisas de maneira racional, emergindo assim, da Idade das Trevas.
 

.