As filosofias do mundo...
 

Filosofia indiana

.....Dos antigos indianos derivaram várias escolas (darsãnas), todas originadas de crenças mais antigas perpetuadas durante os séculos pela tradição oral. Estas escolas tiveram um grande desenvolvimento sistemático, iniciado na era cristã, que lhes rendeu continuidade lógica até os dias atuais. Porém, ainda se encontram estruturadas em suas origens iniciais, cujo início data de mais 500 a.C. Mesmo assim, tais premissas são especuladas hoje por filósofos de todo o mundo.
.....A filosofia hindu conta hoje com oito darsãnas e suas respectivas sub-escolas. Travam discussões acirradas sobre quase tudo que se encontra na literatura indiana, cujas questões e posições (também especuladas por vários filósofos ocidentais) versam sobre coisas intrínsecas como o realismo ingênuo, idealismo, fenomenalismo e outros sistemas e idéias. Entretanto, para os indianos, estas coisas não passam de adereços e procuram, em um mundo introspectivo, o verdadeiro entendimento espiritual.
.....Desde seu primórdio, a filosofia indiana zela pelo sistema lógico de raciocínio em seus métodos especulativos, usando a argumentação como princípio da procura da verdade. Peca quando apela para seus dogmas e, sem prudência, encerram suas discussões na alegação de que tais dogmas explicam as coisas não explicáveis, que, sem estes dogmas, seria uma filosofia espetacular.
.....Confunde-se, no senso comum, a filosofia hindu com idéias “hippies”, coisas “zens”, “viagem astral” etc. É difícil imaginar grandes pensamentos hindus por meio desta ótica. A maioria das pessoas enxerga a filosofia hindu como uma religião ou seita espiritual, outras a entendem como um sistema místico... Entretanto, a filosofia hindu especula coisas tão seculares como aquelas que se especulam no ocidente desde os antigos gregos.
.....Interessante é saber que para a filosofia indiana, a religião, espiritualidade e misticismo são coisas questionáveis. Seus fundamentos são racionais, deixando a intuição em segundo plano. Trabalham a idéia de uma compreensão racional-filosófica para o contato e entendimento do espiritual e místico e suas relações com a realidade objetiva. Logo, mister é refletir. É entender...
.....A filosofia indiana é dividida em seis escolas ortodoxas e duas escolas heterodoxas. As heterodoxas têm como representantes o budismo e jainismo. As ortodoxas são o sãmkhya, yoga, vaisesika, vê dãntã, nyãya e mimãmsã.
.....As chamadas ortodoxas são as escolas que aceitam como dogmas irrefutáveis as antigas escrituras conhecidas como os Vedas (conhecimentos). Já as escolas heterodoxas procuram, por meio de especulações, interpretar tais escrituras a luz dos anseios e desejos do Homem e sua consciência como tal. Vale ressaltar que as escolas ortodoxas, como a sãnkhya e a Yoga, que ficam atrás em importância apenas para a escola Ve Dantã; mas que defendem, da mesma forma, uma identidade entre o eu e a realidade absoluta. Já as escolas vaisesika, nyãya e mimãmsã, datando de há cerca de 200 a.C., defendem, mesmo que em choque entre suas doutrinas, o eterno renascimento carmático dos desejos e vontades humanos. Acreditam que a libertação deste ciclo só se dá por meio do conhecimento de quem realmente somos, do que realmente é o mundo e, do que realmente somos em relação ao mundo no qual vivemos. Entretanto, estas sub-escolas travam uma grande batalha entre serem válidos os argumentos dualistas ou os argumentos não-dualistas.
 

.