//-->



Artigos filosóficos - reflexões históricas e científicas...

.....Uma questão de valores... Eles mudam?




.....
Sabido é que os preconceitos existem, e para isso, não há negar. Também é sabido que os antigos preconceitos persistem mesmo quando novos preconceitos surgem. No máximo, se fundem...


.....Há aquelas pessoas que dizem que tal preconceito caiu porque os valores sociais - dado ao advento da modernidade - os fizerem entrar no conceito “ultrapassado / retro”, no entanto, o que de real se faz, nesse sentido, é a fusão de antigos valores às adaptações dos valores “novos”.
.....Até os pecados, segundo a igreja católica, são atualizados, mas, no entanto, as essências são sempre as mesmas.

.....“Tudo muda, menos a essência.”

.....Na realidade, os valores são valorados de acordo do ponto de vista de quem os valora e, também, por quem os pratica, pela posição social, educação e cultura, hábito, modo de pensar, gosto, opinião etc.

.....Para se entender melhor a temática, como exemplo fático, citado é a nova moda que versa sobre os animais de estimação, pois, outrora, animal de estimação era um passarinho bonitinho cantando em uma gaiola na beira da janela ou cachorros de raça no colo, quando não adornado com uma coleira de corrente dado ao seu vigor e ferocidade, sendo esses últimos, de uma raça tal que demonstre status, pois, quanto mais puro, mais caro e, quanto mais caro, melhor. Ou qualquer outro bichinho fofo e peludo nesse sentido...

.....Quanto aos cachorros, seguindo a idéia de exemplificação, tem-se o conceito dado como um aparato comercial que gira rios de dinheiro. Até pouco tempo eram muitos os salões de beleza desses animais, tendo eles cabeleireiros, vestuários, caríssimos adornos e até sapatinho nas patas e patinhas, sem contar os laços e gravatas. Claro que, do ponto de vista econômico, isso é interessante, pois, tal valoração gera divisas e empregos, fazendo valer a mão invisível de Adan Smith, contudo, fica claro, hoje, que essas atitudes acabaram por gerar um novo preconceito. Tais animais acabam por mostrar uma divisão de classe social na qual só os mais abastados se dão ao luxo para mostrar sua condição econômica.

.. ..Mas, como se lê no título desse artigo, os valores mudam?

.....Talvez sim, talvez não, mesmo assim, o preconceito é fático e, nesse sentido, outras pessoas começam a levantar um novo tipo de preconceito. Um preconceito novo que ataca agora os preconceituosos afortunados, pois, notada é a nova moda em relação aos animais de estimação. Vê-se, nas ruas, pessoas passeando com os mais puros vira-latas. Cachorros feios sem qualquer definição de raça, guiados com coleiras simples. É nítida a intenção de mostrar que há seres humanos passando necessidades e que, cachorro (com todo o respeito ao animal) deve ser tratado como cachorro e ainda, o dinheiro gasto com esses animais deveriam ser direcionado às pessoas que realmente precisem de alguma ajuda, por exemplo.

.....Mas o contra-ataque das classes mais abastadas está sendo fulminante, pois, a moda agora entre os grã-finos é ter, como animal de estimação, animais esquisitos que agridam os “bons costumes”, tais como, porco, iguanas, serpentes, furão, sagüis etc.

.....Em fim, pode-se aqui se exemplificar essa temática com infinitos exemplos, tais como, a questão da pinga que, não muito tempo atrás era uma bebida de bar de quinta categoria e as pessoas que a bebiam eram todas mal-fadadas etc., hoje, porém, está posta nos melhores restaurantes e já é até produto de exportação. Também se pode exemplicar essa temática com a questão das mães solteiras, sobre o divórcio e, de cair o queixo para as pessoas de mais idade, o que era motivo de orgulho em uma mulher - casar virgem, hoje, é o mais puro motivo de vergonha, principalmente se a virgindade ainda perdura até os quatorze anos de idade, no entanto, para outra pessoa, bem mais nova, isso é perfeitamente normal, Errado é uma mulher virgem aos dezesseis anos de idade... E muito mais... Mas o fato é: Os valores trocam apenas de camuflagem preconceituosas, ou realmente mudam?

 

.