//-->



Artigos filosóficos - reflexões históricas e científicas...

.....Alusão aracnídea.


.....Em menos de 30 minutos uma aranha constrói sua teia de modo funcional, eficaz e eficiente. Constrói sem se preocupar com a estética e ou com o belo, por assim dizer. Isso remete a pessoa à idéia de que, quando se deve fazer algo, que se faça rápido e bem feito, cujo resultado seja eficiente e eficaz ao objetivo posto. Em sendo assim, a pessoa fará o que deve apenas uma única vez.


.....As teias feitas pelas aranhas são todas construídas em bases sólidas, ou seja, sua estrutura está presa em alguma coisa, coisa tal que dá sustento à aranha, bem como suporta a presa que nela se prende. Assim sendo, deve a pessoa então agir na vida com atenção à sua realidade, deixando as fantasias de lado. A vida deve ser baseada em fatos e coisas reais.

.....As aranhas precisam de alimentos e fazem suas teias para capturar seu alimento, ou seja, outros insetos. Uma aranha não perde tempo com coisa alguma quando está fazendo sua teia, salvo o que lhe refere ao seu objetivo, isto é, construir uma armadilha, diga-se novamente, eficiente e eficaz. Na vida, a pessoa deve agir de modo e maneira a atrair positivamente, por meio de teias sociais, pessoas e situações que corroboraram com o que pretende e tão somente concentrado nisso.

.....Tal construção deve ser edificada onde há pessoas que nutririam seus objetivos, ou seja, deve a pessoa agir, construir sua teia social em situações nas quais terá ajuda no sentido de se evoluir e ou levá-la até onde possa para obter seus anseios e desejos satisfeitos.
As aranhas fazem teias imperceptíveis, uma tática usada para que o inseto, sua presa, não a perceba e então venha a se emaranhar. Dessa forma deva a pessoa agir socialmente, ou seja, deve sim mostrar o que quer e deseja, no entanto, deve agir, especificamente, em silêncio, pois, do contrário, atrairá inimigos e invejosos que, de uma forma ou outra, irão atrapalhar.

.....Persistentes, as aranhas refazem suas teias sempre quando se é necessário. Por exemplo, se uma pessoa joga alguma coisa em sua teia, essa facilmente se desfaz naquele pedaço e, imediatamente a aranha vem e concerta, sem pestanejar, reclamar etc. Simplesmente a concerta, pois lhe é mais importante a teia funcionando (sua sobrevivência fática) a que sentimentos de perda, desilusão, frustração etc. Portanto, como a aranha, deve a pessoa fazer o que se é preciso fazer sem se prender aos sentimentos que alguma perde lhe trouxe. Deve objetivar a que se presta a coisa que fez, não ao fato que a danificou, salvo apenas para prevenir idênticas falhas futuras.

.....Por último, deve-se ter em mente a disposição da aranha em refazer do zero sua teia quando essa está velha, não mais eficaz etc. Sem pestanejar, a aranha desfaz toda a sua teia e, do zero, constrói uma nova. É dessa forma que a pessoa deve encarar a vida. Deve, sem medo, sem sentimentos de culpa, nostalgia, entre outros sentimentos mais, refazer aquilo em que não obteve êxito...

.....Contudo, deve a pessoa entender que, em sua teia social, deve fazer como a aranha. Ela sabe onde pisar sem ficar presa em sua própria teia pegajosa e enredada. Assim, deve também a pessoa andar, na jornada da vida, observando onde pisa, valendo-se da experiência e sabedoria acumulada em tempo passado.

 

.