O teatro grego...









.....Foram as sátiras, os dramas e as comédias que comandaram os teatros em toda a Grécia no período Clássico. Nesta época, inúmeros teatros foram construídos, tendo praticamente cada cidade seu próprio teatro. Eram construídos em semi-círculos com arquibancadas se elevando a partir do seu centro. Tinham três áreas: a de apresentação, a de tribunas e a de arquibancada. Cada teatro tinha o tamanho proporcional a população da cidade sede.

.....No centro cultural da Grécia, em Atenas, haviam dois festivais internacionais por ano para as comédias e dramas, sendo o primeiro nos meses de janeiro e fevereiro e o segundo em março e abril.
.....Nestes festivais, o autor apresentava sua obra para um funcionário cujo cargo levava o nome de arconte. Se este aprovasse a obra, dava-lhe o "coro", isto é, a garantia de que sua obra seria encenada. Era alta a competição para aprovação do arconte e, inclusive vários nomes, hoje famosos, tiveram suas obras recusadas. Assim, o poeta recebia, à suas ordens, um corego - rico cidadão para o subsídio das despesas de execução da peça. O corego tinha a gentileza de escolher os músicos e os atores para os papéis e encenações. Se o corego era generoso, a peça tinha uma super produção. Do contrário, o cidadão apenas cumpria sua função social de ajudar o teatro de sua cidade e proporcionar divertimento para todos. O júri era compostos por cidadãos de diversas classes sociais e funções que votavam e escolhiam a melhor peça. O vencedor levava a fama a uma coroa de ramos.
.....Todos deixavam seus afazeres para apreciar uma encenação, ficando bem claro o valor dado ao próprio Homem, em geral, por qualquer grego que fosse.
.....No início, o teatro era apenas uma encenação com dança e canção em devoção ao deus Dionísio que, com o tempo, se desenvolveu em apresentações de corais e, mais tarde, em apresentações culturais para um grande número de espectadores. Aos poucos, os assuntos foram se aprofundando dando origem à histórias independentes. Surgem então as sátiras, tragédias e comédias, mostrando uma visão mais individual, mais profunda e interior do próprio Homem. Desta forma, o teatro partiu de uma simples narração dramática, de um rito ao deus Dionísio, conquanto as Bacantes ou Mênades percorriam durante a noite, nos bosques, embriagadas pelo vinho dispersado pelo deus sob as luzes de tochas, até obras como a Édipo, o rei, por exemplo.
.....No auge, já se tendo o teatro como uma coisa de grande importância na cultura grega, as arenas passaram a serem construídos com a mesma grandeza que os templos divinos. Eram grandes auditórios ao ar livre com tribunas de pedras esculpidas para as celebridades e arquibancada de pedra simples para a acomodação das pessoas comuns. Eram construídos em lugares onde se favorecia a acústica.
.....O teatro, para o grego do classicismo, era uma forma de educação e, por tal, obrigavam os jovens e crianças a assistirem. O preço da entrada era dispensado àqueles que não podiam pagar. Todos os gregos eram obrigados a irem ao teatro, mas, mesmo assim, iam de livre e espontânea vontade.
.....Quando da apresentação de uma peça ou festival, o comércio local era suspenso e sem faltas, todos, inclusive os presos, que eram soltos momentaneamente, e, as mulheres que eram barradas em todos os eventos políticos, eram bem-vindos. Todos, sem exceção, iam ao teatro.

.....Um exemplo do desenvolvimento das técnicas de apresentação é a invenção exclusiva da idéia de transmitir os estados de espíritos das personagens para os espectadores sentados nos lugares mais altos e afastados. Neste sentido, passaram a usar máscaras com suas feições exageradas, levando isso hoje como símbolo do teatro (duas máscaras emparelhadas, uma triste e uma feliz). Estas máscaras chegaram até ter suas bocas em formas de funis para ampliar a voz do ator.
 

.